Devo Investir Meu Dinheiro Em Um Negócio?

05 May 2019 13:38
Tags

Back to list of posts

<h1>A Arte Como Refer&ecirc;ncia, Em Piketty E Moretti</h1>

<p>RESUMO O italiano Franco Moretti e o franc&ecirc;s Thomas Piketty, em obras de hist&oacute;ria liter&aacute;ria e econ&ocirc;mica, retomam projetos de grandes s&iacute;nteses. Moretti recorre &agrave; pintura como refer&ecirc;ncia documental, sempre que Piketty se serve do romance, do cinema e de s&eacute;ries de Tv pra chegar quest&otilde;es relativas &agrave; diferen&ccedil;a no capitalismo.</p>

<p>A data &eacute; de superespecializa&ccedil;&atilde;o, que obriga ao detalhe e tira do radar a visada de conjunto. Possu&iacute;mos Os Melhores Meios De Pagamento , tramadas em hist&oacute;rias amplas, parecem ter ficado no passado. Por&eacute;m eis Os 19 Melhores Fundos De Investimentos De 2018 , vindas de excelentes universidades, apontam na dire&ccedil;&atilde;o oposta. ]. O autor, Thomas Piketty, &eacute; franc&ecirc;s, diretor da Institui&ccedil;&atilde;o de Altos Estudos em Ci&ecirc;ncias Sociais e professor da Universidade de Economia de Paris. O italiano &eacute; um historiador da literatura de vasto originalidade, afeito &agrave; vis&atilde;o empirista. Alinha-se com Luk&aacute;cs e outros marxistas, como Roberto Schwarz -primordial pra Moretti-, mas sem ortodoxia. Estamos Alcan&ccedil;ando As Metas? considerou um darwinista, o que aux&iacute;lio a captar tuas teses principais, voltadas pra observa&ccedil;&atilde;o do jeito como a forma romance triunfou.</p>

<ul>

<li>Dois dois - Poupe A toda a hora</li>

<li>Mostra Internacional de Cinema de SP</li>

<li>5 - Atividades de medicina nuclear. Salas de diagn&oacute;stico e terapia com Por todo Caso </li>

<li>4- Cart&atilde;o de cr&eacute;dito e parcelamentos</li>

<li>Criador de conte&uacute;do freelancer</li>

<li>Busque outras escolhas de renda</li>

</ul>

<p>No livro atual, estuda o burgu&ecirc;s na fic&ccedil;&atilde;o, come&ccedil;ando com o caso de Defoe e seu &quot;Robinson Cruso&eacute;&quot;, passando por Balzac, Flaubert, Jane Austen, entre outros, e alcan&ccedil;ando Conrad, Machado de Assis, Giovanni Verga e, numa exce&ccedil;&atilde;o, o dramaturgo Ibsen. Moretti mostra como certas palavras-chave -&quot;utilidade&quot;, &quot;efici&ecirc;ncia&quot;, &quot;conforto&quot;, &quot;ritmo de sequ&ecirc;ncia&quot; etc.- e certas estruturas hist&oacute;rias d&atilde;o subst&acirc;ncia ao processo de consolida&ccedil;&atilde;o hist&oacute;rica desta figura. Piketty est&aacute; pela ordem do dia do debate econ&ocirc;mico.</p>

<p>A for&ccedil;a de seu livro come&ccedil;a no t&iacute;tulo, que ousa evocar Marx, com bem menos inten&ccedil;&atilde;o te&oacute;rica, e puxa o debate para o nosso tempo. Como se sabe, ele mostra, com n&uacute;meros e gr&aacute;ficos acess&iacute;veis, a tend&ecirc;ncia do capitalismo de ampliar a concentra&ccedil;&atilde;o de riqueza. Trata como fantasia a tese da qualidade distributiva do mercado aut&ocirc;nomo e sublinha que somente crises prolongadas (como as Guerras Mundiais e a que se seguiu ao crack de 1929) ou a interven&ccedil;&atilde;o estatal conseguem impedir este movimento.</p>

[[image http://saudevianet.com.br/wp-content/uploads/2016/07/como-controlar-as-financas.png&quot;/&gt;

<p>Tamb&eacute;m mostra, e insiste, que a difus&atilde;o do entendimento e o investimento em educa&ccedil;&atilde;o comp&otilde;em uma pot&ecirc;ncia n&iacute;tida a favor da redu&ccedil;&atilde;o da diferen&ccedil;a. Inten&ccedil;&atilde;o demasiada pela avalia&ccedil;&atilde;o de muitos, em t&iacute;pico de economistas afeitos ao debate te&oacute;rico -que n&atilde;o ser&aacute; assediado nesse lugar, pelo motivo de est&aacute; muito acima das tamancas dos resenhistas. O assunto deste texto est&aacute; em 2 tra&ccedil;os fortes do livro. Um deles &eacute; a tua probabilidade hist&oacute;rica ampla, que descreve o rumo da desigualdade econ&ocirc;mica no Ocidente, em especial pela Fran&ccedil;a e no Reino Unido, no entanto bem como em outros pa&iacute;ses da Europa e nos Estados unidos.</p>

<p>S&atilde;o na&ccedil;&otilde;es onde h&aacute; dados confi&aacute;veis sobre isso renda e posse, em s&eacute;ries hist&oacute;ricas largas, algo que o Brasil n&atilde;o oferece -e por isso ficou fora do livro. O segundo tra&ccedil;o &eacute; o t&iacute;pico aproveitamento que Piketty faz do romance (e do cinema) para exemplificar essa hist&oacute;ria. O atual livro de Moretti, de escrita clara e antipern&oacute;stica, ganha ao ser lido em companhia de sua obra anterior, mas &eacute; aut&ocirc;nomo. O catatau de Piketty bem como se deixa ler com vasto flu&ecirc;ncia por cada interessado em hist&oacute;ria e ci&ecirc;ncias sociais.</p>

<p>Sendo de meio ambiente bem diversa -um de teoria e hist&oacute;ria da literatura, outro de hist&oacute;ria econ&ocirc;mica-, os dois livros compartilham a vontade de meter-se no debate p&uacute;blico mediante um desenho panor&acirc;mico que parte de imenso conjunto de dados. Moretti se fixa nos s&eacute;culos dezoito e 19, ao passo que o arco temporal de Piketty vem de 1789 a 2010. T&ecirc;m os dois o mesmo quest&atilde;o, em conclus&atilde;o: o universo burgu&ecirc;s em sua alega&ccedil;&atilde;o. Os aparato liter&aacute;rios e art&iacute;sticos dos 2 livros se adicionam.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License